Meditação e a busca por menos

Desde criança sempre achei o ato de meditar um pouco estranho, especialmente para se fazer quando na vida adulta, porque de tantas coisas legais que os adultos eram permitidos fazer tinha gente que escolhia ficar parado e meditando.

Aprendi a realmente meditar quando tinha 20 anos e muitas portas (mentais) se abriraram para mim, portas que explorei muito e que chamo de personalidades, todos nós temos essas personalidades diferentes dentro de nós basta ouvirmos o que cada uma tem para dizer. (Eu na verdade vivia todas elas mas isso é assunto para outro Post)

Depois de muito praticar a meditação normal, descobri que a meditação não precisa ser em silêncio em posição de lótus enquanto cantamos ritmado como os monges. Meditar para mim começou a significar se desgrudar de somente coletar dados sensoriais e elevar-se um pouco acima de minha cabeça para observar as minhas reações e meus pensamentos sobre aquilo que está acontecendo. Isso é o que chamo de meditação Observadora ou Admiradora.

A outra maneira de meditar é mais difícil fazer quando se está no dia-a-dia, consiste em se desligar do plano da realidade, conscientemente colocar suas ações no “automático”  e se concentrar no universo dentro de sua mente. Isso sempre me traz mais conhecimento de minhas capacidades e entendimento de minhas reações aos diversos estímulos externos.

O outro tipo é a meditação de fluidez que recentemente descobri como fazer. Ela se compõe em um pouco das duas meditações anteriores. Percebi que como a maioria das pessoas, todos os dias sentia tantas coisas que na hora do almoço nem se lembrava mais das palavras ríspidas ou elogios que tinha dito no café da manhã. Entendi que isso acontecia porque quase nunca estava completamente “Ali”. Meu corpo estava ali mas minha mente estava com uma enxurrada de pensamentos e sentimentos que não me permitia degustar os momentos presentes.
Para mim agora é sempre importante manter uma mente quieta e estar no momento, para entender o que está acontecendo e poder agir de forma adequada e serena.

Por isso a meditação de fluidez é muito  importante no dia-a-dia. Quando em um momento de bastante Stress por exemplo, desligo os outros pensamentos (não é fácil!) observo o que está acontecendo, observo meus sentimentos e se eles forem ruins identifico o porque desses sentimentos e só deixo ir embora, não deixo eles influenciarem as minhas ações e palavras porque não vale a pena. Nunca vale a pena dizer algo ruim na hora da pressão/stress/tristeza. Isso é a meditação de fluidez. Identificar e deixar fluir os sentimentos ruins.

Sinto que essas meditações expandem a minha mente para considerar o universo como ele é e admirar todas as criações da natureza com sua perfeição e harmonia.

Anúncios