Uma semana de Vegetarianismo

7 dias atrás eu tomei uma decisão: “Vou tentar ser vegetariano.”

Não imaginei que 4 palavras pudessem ter tanto peso e tantas ramificações em uma prática necessária (ingerir alimentos, nutrir o corpo).

Um vegetariano, normalmente não come carnes (boi, porco e peixe), ovos, leites e seus derivados. E aparentemente o mundo ao meu redor é realmente predominantemente carnívoro, dificultando demais a vida de um vegetariano.

Percebi que morreria de tédio alimentar se dependesse de restaurantes desenhados para carnívoros/onívoros que contam com a maciça maioria ao redor dos principais centros de negócios.

Esses restaurantes não pensam em fazer pratos sem partes de animais para oferecer uma opção sem esse ingrediente, ou seja, a opção é salada ou aquele refogado de berinjela que insistem em fazer com carne moída. O resultado é um mortal tédio alimentar, se alimentar de alface todo dia não é para um foodie como eu.

Felizmente com o poder do Google Maps e Foursquare achei alguns restaurantes vegetarianos ao redor de onde trabalho e para a minha sorte, tem um a duas quadras.

Ao entrar lá pela primeira vez me vi no céu de vegetarianos, com pratos dos mais diversos como Coxinha Integral de Tofu (sem Glúten e sem Lactose), Empadinha de Palmito, Arroz Cateto Integral (cada dia com um ingrediente a diferente) e uma seleção de doces Integrais, sem Lactose e sem Glúten.

Depois do segundo dia já percebi mudanças no funcionamento do meu sistema digestivo. A digestão de fauna é mais leve e você não fica “lembrando” do que comeu o resto do dia. E quando sai é difícil ter um cheiro de coisa podre que ficou decompondo em um lugar escuro e úmido.

No terceiro dia eu acidentalmente por puro esquecimento de onde vinha a ricota, comi uma torta de legumes com ricota. Depois eu pensei “Sou um péssimo vegetariano. Nunca vou conseguir isso.” mas um querido amigo me relembrou que estava só no terceiro dia, com prática iria conseguir ser melhor.

No quarto dia, com motivação restaurada, já percebi melhoras na qualidade do sono, aparentemente não ter pedaços de animais mortos digerindo no meu estômago me fez dormir melhor. E melhoras na energia do dia-a-dia, não fiquei sonolento nem letárgico como era de costume ao comer carnes, especialmente fast-food.

No quinto dia já comecei a desejar doces, que normalmente envolvem leite e ovos, como deliciosos bolos, sorvetes e cupcakes. Então fui explorar mais a seção de doces desse restaurante. Fiquei extremamente surpreso ao comer meu primeiro bolo de banana integral sem lactose, sem glúten e sem ovos e perceber que aquilo era realmente uma delícia e nenhum animal morto (ou não nascido) estava presente naquilo!

No sexto dia foi difícil. Isso era sábado e tinha de dar uma palestra na empresa, só que esse pedacinho de céu-vegetariano (o restaurante) estava fechado. Girei os pés para trás e fiquei contente em ter comprado no início da semana uma pasta de soja (muito cara!) e um pão de 14 grãos sem lactose/ovos (muito caro!). Passei com um lanche no almoço e depois comi uma ameixa que tinha trazido também.

No sétimo dia também foi difícil. Era domingo e não iria nem trabalhar, nem estar perto do centro comercial para tentar explorar e ver se encontrava outro restaurante vegetariano aberto. Então fui ao mercado e comprei uma salada e umas frutas.

Em geral, não passei fome, me senti mais leve e com mais energia durante o dia até a noite (mesmo acordando ás 5:00, trabalhando 8 horas, malhando 2 horas e indo dormir ás 23:00).

Para todos que desejam tentar, eu altamente recomendo. No entanto, depois dessa semana percebi que sinto muita falta de Peixes, Ovos, Leite e seus derivados. Como desafio, vou continuar essa dieta por mais 3 semanas (completar 1 mês sendo vegetariano) e vou voltar a comer esses itens que sinto falta. Com parcimônia, claro.

Só um detalhe, perdi dois quilos nessa semana, só por isso já estou com um grande sorriso!

Anúncios